Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \30\UTC 2008

Campanha do Gabeira

Este post já começa longo. Desculpem-me previamente. Um certo burburinho tomou conta dos assuntos em mesa de bar e fila de banco quando o deputado Fernando Gabeira confirmou que seria candidato a prefeito do Rio de Janeiro. Sem fazer campanha aqui, até por que não voto na capital, anima-me muito ter um candidato do Partido Verde (escreverei outro post relacionado ao desenvolvimento sustentável) com mais chances diante dos pulhas que habitam na política. Nas últimas duas semanas Gabeira arrancou nas pesquisas e tem chances reais  de disputar o segundo turno com o candidato mais bem colocado, Eduardo Paes, do PMDB.

A campanha do Gabeira ganhou apoio aberto da classe artística nos últimos dias, conforme manifestações de apoio reproduzidas abaixo, assinadas pelo casal du moscovis e cyntia howlett e por Nelson Motta. Pela primeira vez em muitas eleições poderemos ver, quem sabe, na reta final, um representante da fatia da população que chamo, por falta de outros termos, de classe-média-zona-sul, a clássica. Há muito tempo esta parcela de eleitores permanece um tanto inexpressiva, talvez por falta de candidatos que a represnetem. O post é apenas o registro desse, digamos, fenômeno possível pela velocidade de difusão da informação na internet. 

“UTOPIA CARIOCA

 RIO DE JANEIRO – Sempre que vejo na televisão a propaganda do TSE mandando a gente ficar de olho nos nossos eleitos, sinto um certo constrangimento e uma sensação de ridículo institucional. Mas também um estranho orgulho e um vago sabor de superioridade: há várias eleições voto no deputado Fernando Gabeira e nunca me decepcionei com seus votos, atitudes e atuação política, mesmo quando, às vezes, discordo de seus pontos de vista. Sua honestidade e inteligência são inquestionáveis.
 É uma felicidade democrática ter alguém que realmente representa no Congresso o que você pensa e acredita. Isto também é quase ridículo, porque é uma exceção do que deveria ser a norma, como é em países civilizados. Mas fiquei ainda mais orgulhoso agora que ele impôs suas condições para ser o candidato da frente PV-PSDB-PPS à prefeitura do Rio de Janeiro.

 Não pediu poderes ilimitados, nem caminhões de dinheiro, nem submissão dos partidos à sua vontade: exigiu uma campanha limpa, sem ataques pessoais, propositiva; divulgação pela Internet dos fundos e despesas da campanha, e o principal: caso eleito, que o secretariado seja escolhido por méritos e critérios profissionais e não partidários, sem o habitual loteamento como moeda de troca por apoio político. Ele não acha que só porque ‘todos’ fazem errado ele deve fazer também. É quase uma utopia. Mas se é a realidade em países civilizados, por que não, um dia, no Brasil?
 Conhecido por sua trajetória dedicada aos direitos humanos, à ecologia, saúde, educação e cultura, com reconhecida capacidade de diálogo democrático e tolerância, sem concessões à ladroagem e à política-como- ela-é, o que ele propõe é o óbvio. Mas parece um sonho quase impossível.
 O Rio de Janeiro merece esta esperança.

 Nelson Motta”

————————————————-

“Queridos cariocas (da gema ou nao),

“Não me envolvo e nunca me envolvi com política”. Essa sempre foi a frase dita por mim, orgulho e descrença se misturam nela. Agora depois de tantas eleições em que me acostumei a dizê-la e por repetir, de uma forma cômoda, que “não temos candidato”, comecei a rever isso tudo. Percebi que me identifico com a proposta do Gabeira para essa cidade. Admiro sua postura, sua campanha silenciosa e limpa (em todos os sentidos), sua pessoa e principalmente seu descomprometimento com outros partidos. Por isso e motivado pela carta do Nelson Motta que vem circulando pela Internet, fiquei com vontade de me manifestar acreditando numa possivel mudança.

Cyntia Howlett

De Eduardo Paes só sei que foi subprefeito da Barra num dos mil governos do Cesar Maia, com quem rompeu no ano passado para passar para o lado do Cabral, que não é bobo nem nada.  Falta-me qualquer informação sobre.

Read Full Post »

Lá vem a noiva, toda de branco

Realmente meu coração não se cansa de ter esperanças. Tem uma frase que costumo repetir, sou uma moça que conserva ilusões na vida. É muito inspirador, como ser humano, ver gente que, apesar de o mundo ser como é, de as pessoas serem como são, consegue escolher um caminho e trilhá-lo a passos seguros, e escrever uma história bonita ainda.  Acho sensacional ser  premiada com o grupo de amigas da foto. Deus, como a vida é boa. E como a vida não cansa me me dar bons exemplos. No altar estava a Luciana, que botou a aliança no outro dedo e disse SIM, mas quem renovou a fé na vida fui eu. É possível realizar. O que quer que se queira e a Luciana provou isso para a legião de descrentes que a rodeia.  Uma festa de casamento como deve ser: um sinônimo de união, reunião. De amor e felicidade. Plena e generosa. Uma noite de felicidade pura, representada pelo branco de um vestido de babados.

Read Full Post »

O mundo dela e nada mais

 

Adoro Adriana Calcanhoto. Seu último disco, Maré, é lindo de-mais. Assisti a este show ao lado de uma pessoa muito querida e hoje lembrei-me muito de uma música que ela cantou lá. É uma antiga canção de Guilherme Arantes, um de seus muitos sucessos que eu ouvia com a minha mãe, enquanto ela lavava roupas no tanque, aos sábados.

Acordei ouvindo essa música hoje, na voz de Adriana.

Meu Mundo e Nada Mais

Guilherme Arantes

Composição: Guilherme Arantes

Quando eu fui ferido
Vi tudo mudar
Das verdades
Que eu sabia…

Só sobraram restos
Que eu não esqueci
Toda aquela paz
Que eu tinha…

Eu que tinha tudo
Hoje estou mudo
Estou mudado
À meia-noite, à meia luz
Pensando!
Daria tudo, por um modo
De esquecer…

Eu queria tanto
Estar no escuro do meu quarto
À meia-noite, à meia luz
Sonhando!
Daria tudo, por meu mundo
E nada mais…

Não estou bem certo
Que ainda vou sorrir
Sem um travo de amargura…

Como ser mais livre
Como ser capaz
De enxergar um novo dia…

Eu que tinha tudo
Hoje estou mudo
Estou mudado
À meia-noite, à meia luz
Pensando!
Daria tudo, por um modo
De esquecer…

Eu queria tanto
Estar no escuro do meu quarto
À meia-noite, à meia luz
Sonhando!
Daria tudo, por meu mundo
E nada mais…

Read Full Post »

Padaria

Enquanto não faço o menu deste blog (eu avisei que estava em soft opening, ainda não fiz o menu..etc) aí vai o link para o texto sobre minha experiência em fazer pães (sim, sou uma moça prendada) no blog da queridíssima Inês Garçoni, o Anastácia na feira, que linkarei aqui…além de boas histórias, está recheado de deliciosas receitas.

http://anastacianafeira.blogspot.com/

Read Full Post »

Interessados na eleição municipal no Rio de Janeiro não podem perder o debate entre 10 candidatos promovidos pelo Jornal do Brasil www.jb.com.br. É o único antes do primeiro turno.

Neste momento, Marcelo Crivella pergunta para Filipe Pereira.

Read Full Post »

Para curar ressaca e outras dores

Blood Mary. Minhas amigas meio que torcem o nariz toda vez que sento num bar e peço um suco de tomate, ou um blood mary.  Não há nada melhor para ressaca que suco de tomate. Tem receita, eu faço os meus meio de olho. Mas lá vai.
 
Bem:
2/3 Suco de Tomate de boa qualidade
1/3 Vodka
Gotas de limão
Gotas de Molho Inglês
Pimenta e Sal a gosto

Read Full Post »

Rotina

Cotidiano. Vinte e duas horas e trinta e três minutos. Ainda estou no trabalho. O desodorante venceu. A fome apertou. O café acabou. O ritmo acelerado não combina com a carga baixa de energia. Mas é preciso uma dose a mais de resistência. Saio às 22h45 pra chegar em casa uma hora depois com um hambúrguer no estômago e sem nenhum neurônio acordado na cabeça. Isso não é vida. Ou é a vida que escolhi?

Read Full Post »

Older Posts »